Busca no site:
Atendimeto Skype

Argentina


Terra de uma das danças mais sensuais do mundo – o tango, a Argentina é cenário de uma geografia contrastante e de  belezas naturais cativantes como a Cordilheira dos Andes, com suas montanhas, as Cataratas do Iguaçu, as praias, as vinhas, onde são produzidos excelentes vinhos,  e a região da Patagônia, com seus lagos, bosques e majestosos glaciais. 

Para os mais urbanos, a capital Buenos Aires é o destino perfeito. Centro cultural sofisticado, que tem no escritor Jorge Luis Borges um dos seus poetas mais laureados. Com intensa vida noturna, a cidade embala os visitantes ao som do tango de Carlos Gardel. O simpático Puerto Madero é a parada obrigatória para um passeio. Conhecer a rica área da Recoleta, o importante Teatro Cólon e os subúrbios de La Boca e San Telmo são passeios clássicos da cidade mais européia da América do Sul. 

Outras cidades imperdíveis são Córdoba e Mar Del Plata, além da região dos Pampas e da Patagônia, famosa por suas paisagens de tirar o fôlego. Por lá, a diversidade de climas é grande: de seco e árido até o frio, com chuvas e neve no extremo sul do país. Embora o clima seja temperado, há períodos bastante frios. Bariloche, localizada na Patagônia, é uma famosa estação de esqui durante o período do inverno. Ushuaia e Rio Grande são as maiores cidades da região da Terra do Fogo, outra área do território argentino imperdível, com seu lagos, geleiras, florestas e rios. 

A diversidade da Argentina está refletida nas atividades: desde o aprendizado do espanhol,  um relax em termas e spa, tours gastronômicos com menu internacional e típico, turismo de aventura em territórios ainda não explorados que se pode descobrir até mesmo em um final de semana.


 

Esquiando em Bariloche

Se você quer curtir os esportes de inverno sem ir muito longe, Bariloche, na Argentina, é a pedida certa. Com ótimas escolas e professores para os iniciantes e com pistas de todos os níveis nos centro de esqui… Leia mais.

Pedalando na Argentina

Que tal pedalar pela província de Mendoza, ao pé da Cordilheira dos Andes, região oeste da Argentina? Conheça os principais vinhedos, saboreie a gastronomia rica, visite o “corredor produtivo” em que as… Leia mais.

CP4 Traveller - Réveillon em Buenos Aires - Caminito

Réveillon em Buenos Aires

Que tal passar um Réveillon diferente e conhecer a terra do Tango? A Argentina possui uma série de atrações e Buenos Aires tem um charme especial. A capital do país tem avenidas largas e o clima é totalmente… Leia mais.

Foi, Falou e Disse...

Daniela Maximiliano


A melhor decisão que já tomei aconteceu no dia em que resolvi entrar em contato com a CP4 a fim de passar um tempo na Inglaterra. A partir daí, foi preciso convencer todo mundo desta minha intenção ao mesmo tempo em que pressentia o medo de ficar sozinha numa casa, escola, numa cidade onde eu não conhecia ninguém. E como sobreviver falando outra língua? Será que eu agüentaria a saudade de tudo com que eu convivi durante 16 anos da minha vida?

Hoje, sete meses depois, de volta ao Brasil, a única coisa que me ocorre quando penso naquelas dúvidas é rir! Como nossas expectativas são diferentes do que essa experiência nos oferece! E nos oferece muito mesmo!

Quando eu estava lá, conforme o tempo ia passando, as pessoas no Brasil me perguntavam: “E aí, está se virando com o inglês?” Eu só então parava para pensar nisso! É um processo natural, sempre fazemos o que é preciso. By the way, tudo na vida tem seu lado bom e seu lado ruim. Vou começar pelo lado positivo: fiz amizades com pessoas que vinham de lugares que eu nunca imaginei conhecer e, tenho certeza, essas amizades vão durar para sempre. Aprendi com elas e com os ingleses outros estilos de vida, outras maneiras de viver, a vencer os preconceitos, entre outros desafios. Vivi num lugar onde cada um tem personalidade própria, onde ninguém tem vergonha de usar essa ou aquela roupa. Todo mundo era diferente. Aprendi a respeitar outras opiniões, outras culturas. Aprendi principalmente a me virar sozinha.

Não havia ninguém para fazer as coisas pra mim ou para me proteger. Eu precisava fazer tudo. No entanto, apesar de tanta responsabilidade, todo esse processo foi também natural. Como nem poderia citar tudo de maravilhoso que aconteceu, o aspecto negativo se repetiu no início e no fim da temporada. Logo que cheguei, achei que a viagem tinha sido a pior decisão da minha vida; queria fazer qualquer coisa para voltar. Mas, temos sempre que nos dar mais uma chance e, com a ajuda da família e da CP-4, tentei viver essa oportunidade. Na volta, o problema se inverteu: foi muito difícil abandonar tudo que eu havia conquistado por lá.

O maior aprendizado não foi apenas o intercâmbio que me deu, mas sim o intercâmbio apoiado pela CP4. A Bea, especialmente, me ensinou muitas coisas importantes para esse período. Que, no entanto, eu só entendi quando retornei. Eu era uma Daniela antes dessa viagem. Agora sou outra – de acordo com todos aqui, ‘maior’, melhor, mais madura. A CP-4 abriu a portas e eu fui descobrindo que tem outro mundo lá fora e que temos muito a aprender com ele. Afinal, como diz a Bea, “Não existe melhor nem pior e sim DIFERENTE”.